quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Minha vontade é de colocar o livro todo, mas, me falta tempo e disposição hehehe. Aos poucos coloco as passagens que mais me atraíram.

‎"Ó céus! Acaso há homens mais felizes na terra que os comumente chamados de loucos, insensatos, bobos e imbecis? Em primeiro lugar, eles não temem de modo nenhum a morte, o que, certamente, não é uma pequena vantagem. Não conhecem nem os remorsos devoradores de uma má consciência, nem os vãos terrores que as histórias do inferno inspiram aos outros homens... Jamais o temor dos males que os ameaçam, jamais a esperança dos bens que podem obter seria capaz de perturbar por um só instante a tranquilidade da alma deles.(...) E, se são bastante felizes para chegar muito perto da estupidez dos brutos, têm ainda a vantagem, segundo os teólogos, de ser impecáveis."

[Elogio da Loucura - Erasmo de Rotterdam (1469-1536)]
"Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco. Quero-os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta. Não quero só o ombro ou o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice. Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril.''

Oscar Wilde.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Kierkegaard - Copenhague, 5 de Maio de 1813 à 18 de Novembro de 1855.

“ Quando se supõe misturada ao imediato uma certa reflexão sobre si próprio, o desespero modifica-se um pouco; o homem, algo consciente do seu eu, é-o também um pouco mais, e por isso mesmo, do que é o desespero e da natureza desesperada do seu próprio estado; que fale de estar desesperado, e já não será absurdo; mas no fundo é sempre desespero-fraqueza, um estado passivo; e a sua forma continua a ser aquela em que o desesperado não quer ser ele próprio.
O progresso, neste caso, no puro imediato, está em que o desespero já não provém sempre dum choque, dum acontecimento, mas pode ser devido a essa reflexão sobre si próprio, e não é então uma simples submissão passiva a coisas exteriores, mas, em parte, um esforço pessoal, um ato. Manifesta-se aqui, efetivamente, um certo grau de reflexão interna, e portanto um regresso ao eu; e esse começo de reflexão inicia a ação de escolha pela qual o eu se apercebe da íntima diferença com o mundo exterior, começo que também inicia a influência dessa escola sobre o eu. Mas isso não o levará muito longe. Quando o eu, com a sua bagagem de reflexão, vai assumir-se inteiramente, arrisca-se a chocar com qualquer dificuldade na sua íntima estrutura, na sua necessidade. Pois que, tal como o corpo humano, também nenhum eu é perfeito. Essa dificuldade, seja qual for, fá-lo recuar aterrorizado.”

Da Obra: O Desespero Humano.

"...Ele não pertencia à realidade e, no entanto tinha muito a ver com ela. Passava sempre acima da realidade, e mesmo quando mais lhe entregava, estava longe dela. Mas não era o bem dela que o afastava e, no fundo, também não o mal ...


Ele não fraquejava à gravidade da realidade, não era excessivamente fraco para a suportar, nao, era antes demasiado forte; mas esta força era uma doença. Logo que a realidade perdia a sua importância como estimulante, ficava indefeso, e nisso consistia o mal que o habitava. Tinha plena consciência deste fato, mesmo no momento do estímulo, e o mal estava nessa consciência...


...Parece ter sido ainda experimentado num tipo de experiência que o define perfeitamente bem; pois ele era, de uma forma extrema, intelectualmente determinado para ser um sedutor
Vulgar"

Da Obra: Diário de um Sedutor.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

"Dá-me a tua mão desconhecida, que a vida está me doendo, e não sei como falar - a realidade é delicada demais, só a realidade é delicada, minha irrealidade e minha imaginação são mais pesadas."

Clarice Lispector.






segunda-feira, 29 de agosto de 2011

O momento se vai e nem percebemos...
Nos perdemos com a rotina e esquecemos de observar mais, de escutar mais...
Queremos muito e temos pouco ou desejamos pouco e nos é cobrado demais...
Qual o sentido de tudo isso eu não sei.
Pra onde tudo isso leva eu não descobri.
Os segredos do mundo eu não sei nem do começo...
Só tenho ciência que meus olhos muitas vezes não enxergam tudo, que a minha conversa muitas vezes não é entendida, que meus ouvidos se tapam pra muitas coisas.
Mas continuo respirando... continuo vivendo... e o tempo não descansa, ele vai caminhando.

:'^(


ASSIM FALOU ZARATUSTRA
DO NOVO ÍDOLO

Estado, chamo eu, o lugar onde todos, bons ou malvados, são bebedores de veneno; Estado, o lugar onde todos, bons ou malvados, se perdem a si mesmos; Estado, o lugar onde o lento suicídio de todos chama-se – “vida”!
Olhai esses supérfluos! Roubam para si as obras dos inventores e os tesouros dos sábios; “culturas” chamam a seus furtos – e tudo se torna, neles, em doença e adversidade!
Olhai esses supérfluos! Estão sempre enfermos, vomitam fel e lhe chamam “jornal”. Devoram-se uns aos outros e não podem, sequer digerir-se.
Olhai esses supérfluos! Adquirem riquezas e, com elas, tornam-se mais pobres. Querem o poder e, para começar, a alavanca do poder, muito dinheiro – esses indigentes!
Olhai como sobem trepando, esses ágeis macacos! Sobem trepando uns por cima dos outros e atirando-se mutuamente, assim no lodo e no abismo.
Ao trono, querem todos, subir: é essa a sua loucura. Como se no trono estivesse sentada a felicidade! Muitas vezes, é o lodo que está no trono e, muitas vezes, também o trono no lodo.
Dementes, são todos eles, para mim, e macacos sobre excitados. Mau cheiro exala o seu ídolo, o monstro frio; mau cheiro exalam todos eles, esses servidores de ídolos!
Porventura, meus irmãos, quereis sufocar nas exalações de seus focinhos e de suas cobiças? Quebrai, de preferência, os vidros das janelas e pulai para o ar livre!
Fugi do mau cheiro! Fugi da idolatria dos supérfluos!
Fugi do mau cheiro! Fugi da fumaça desses sacrifícios humanos!
Também agora, ainda a terra está livre para as grandes almas. Vazios estão ainda para a solidão a um ou a dois, muitos sítios, em torno dos quais bafeja o cheiro de mares calmos.
Ainda está livre, para as grandes almas, uma vida livre. Na verdade, quem pouco possui, tanto menos pode tornar-se possuído. Louvado seja a pequena pobreza!
Onde cessa o Estado, somente ali começa o homem que não é supérfluo – ali começa o canto do necessário, essa melodia única e insubstituível.
Onde o Estado cessa – olhai para ali, meus irmãos! Não vedes o arco-íris e as pontes do super-homem?

Nietzsche.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Alguns textos em pdf.

Um pouco das leituras complementares que fiz este ano,em pdf, pra quem se interessa por Filosofia, principalmente a parte sobre os Mitos e as Tragédias Gregas.


Teogonia - Hesíodo
Neste poema Hesíodo conta sobre a origem do mundo e dos deuses. Primeiramente surgiu o deus Caos (Urano) e a deusa Gaia que deram origem a Cronos e em seguida este deu origem a Zeus. Apartir daí o autor relata como Zeus conseguiu destronar o pai e chegar ao trono.

http://psicologiaanalitica.files.wordpress.com/2010/05/hesiodo-teogonia-a-origem-dos-deuses.pdf

Os Trabalhos e os Dias - Hesíodo
Neste poema Hesíodo conta a história da organização da vida humana enfatizando os temas trabalho e justiça. Neste poema encontramos os mitos de Prometeu Acorrentado e Pandora.

http://www.4shared.com/document/9KAlpMbI/Hesiodo_-_Os_trabalhos_e_os_di.html

Odisséia - Homero
Este é um famoso poema, relatado até no cinema, é uma continuidade da Ilíada. Ulisses (ou Odisseu) faz uma incrível e perigosa viagem em busca de sua esposa e filho.

http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/odisseiap.pdf

Ilíada - Homero
A Ilíada é um fantástico poema que narra a famosa Guerra de Tróia, os heróis Aquiles e Odisseu e a bela Helena e também o famoso Cavalo de Tróia usado para a invasão dos gregos.

http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/iliadap.pdf

Antígona - Sófocles
Antígona é uma continuidade da tragédia do Rei Édipo. Antígona era filha de Édipo. A história conta sobre a valentia dessa mulher que ousou enfrentar seus superiores para defender o irmão ladrão e dar-lhe um enterro digno.

http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/antigone.pdf

Édipo Rei - Sófocles
Esta é a famosa história do Rei Édipo que sem saber mata o próprio pai e desposa a própria mãe.

http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/edipo.pdf

sexta-feira, 29 de julho de 2011

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Eternal Sunshine...


"Feliz é o destino da inocente vestal. Esquecendo o mundo e sendo por ele esquecida. Brilho eterno de uma mente sem lembranças. Toda prece é ouvida, toda graça se alcança."
SONHO. Não sei quem sou neste momento.
Durmo sentindo-me. Na hora calma
Meu pensamento esquece o pensamento,
Minha alma não tem alma.

Se existo, é um erro eu o saber. Se acordo
Parece que erro. Sinto que não sei.
Nada quero nem tenho nem recordo.
Não tenho ser nem lei.

Lapso da consciência entre ilusões,
Fantasmas me limitam e me contêm.
Dorme insciente de alheios corações,
Corações de ninguém.

Fernando Pessoa.

Autopsicografia

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entregar a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

Fernando Pessoa.

quinta-feira, 7 de julho de 2011


Sou palhaço do circo sem futuro
Um sorriso pintado a noite inteira
O cinema do fogo
Numa tarde embalada de poeira (...)

... E a lona rasgada no alto
No globo os artistas da morte
E essa tragédia que é viver, e essa tragédia
Tanto amor que fere e cansa
.


(Cordel do Fogo Encantado.)

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

Carlos Drummond de Andrade.
"Os ombros suportam o mundo
Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação".

Carlos Drummond de Andrade.

As sem razões do amor.

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no elipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Há metafísica bastante em não pensar em nada.

O que penso eu do mundo?
Sei lá o que penso do mundo!
Se eu adoecesse pensaria nisso.

Que idéia tenho eu das cousas?
Que opinião tenho sobre as causas e os efeitos?
Que tenho eu meditado sobre Deus e a alma
E sobre a criação do Mundo?

Não sei. Para mim pensar nisso é fechar os olhos
E não pensar. É correr as cortinas
Da minha janela (mas ela não tem cortinas).

O mistério das cousas? Sei lá o que é mistério!
O único mistério é haver quem pense no mistério.
Quem está ao sol e fecha os olhos,
Começa a não saber o que é o sol
E a pensar muitas cousas cheias de calor.
Mas abre os olhos e vê o sol,
E já não pode pensar em nada,
Porque a luz do sol vale mais que os pensamentos
De todos os filósofos e de todos os poetas.
A luz do sol não sabe o que faz
E por isso não erra e é comum e boa.

Metafísica? Que metafísica têm aquelas árvores?
A de serem verdes e copadas e de terem ramos
E a de dar fruto na sua hora, o que não nos faz pensar,
A nós, que não sabemos dar por elas.
Mas que melhor metafísica que a delas,
Que é a de não saber para que vivem
Nem saber que o não sabem?

“Constituição íntima das cousas”…
“Sentido íntimo do Universo”…
Tudo isto é falso, tudo isto não quer dizer nada.
É incrível que se possa pensar em cousas dessas.
É como pensar em razões e fins
Quando o começo da manhã está raiando, e pelos lados
das árvores
Um vago ouro lustroso vai perdendo a escuridão.

Pensar no sentido íntimo das cousas
É acrescentado, como pensar na saúde
Ou levar um copo à água das fontes.

O único sentido íntimo das cousas
É elas não terem sentido íntimo nenhum.
Não acredito em Deus porque nunca o vi.
Se ele quisesse que eu acreditasse nele,
Sem dúvida que viria falar comigo
E entraria pela minha porta dentro
Dizendo-me, Aqui estou!

(Isto é talvez ridículo aos ouvidos
De quem, por não saber o que é olhar para as cousas,
Não compreende quem fala delas
Com o modo de falar que reparar para elas ensina.)

Mas se Deus é as flores e as árvores
E os montes e sol e o luar,
Então acredito nele,
Então acredito nele a toda a hora,
E a minha vida é toda uma oração e uma missa,
E uma comunhão com os olhos e pelos ouvidos.

Mas se Deus é as árvores e as flores
E os montes e o luar e o sol,
Para que lhe chamo eu Deus?
Chamo-lhe flores e árvores e montes e sol e luar;
Porque, se ele se fez, para eu o ver,
Sol e luar e flores e árvores e montes,
Se ele me aparece como sendo árvores e montes
E luar e sol e flores,
É que ele quer que eu o conheça
Como árvores e montes e flores e luar e sol.

E por isso eu obedeço-lhe,
(Que mais sei eu de Deus que Deus de si próprio?).
Obedeço-lhe a viver, espontaneamente,
Como quem abre os olhos e vê,
E chamo-lhe luar e sol e flores e árvores e montes,
E amo-o sem pensar nele,
E penso-o vendo e ouvindo,
E ando com ele a toda a hora.

Alberto Caeiro, in “O Guardador de Rebanhos – Poema V”
Heterónimo de Fernando Pessoa
“Meu conselho para quem quer ter uma criança sadia e feliz é mantê-la o mais longe possível de uma igreja. Crianças são ingênuas e confiam em todo mundo. Escola já é ruim mas se levá-la para a igreja, então está querendo mesmo problemas.”

Frank Zappa

terça-feira, 14 de junho de 2011

Meio da vida
Com peras amarelas
E repleta de rosas silvestres
A terra estende-se por cima do lago,
Vós graciosos cisnes!
E embriagados de beijos
Molhais a cabeça
Na sagrada e sóbria água.

Pobre de mim ! onde irei buscar
Quando for Inverno, as flores e
Onde o brilho do Sol
E as sombras da terra ?
Frios e mudos,
os muros erguem-se;
ao vento, as bandeiras tilintam.

Holderlin

sábado, 11 de junho de 2011


”Se alguém perguntar quem foi
Antígona, que respondam, foi
aquela que morreu ante de
Tebas.”



Livro em PDF. Antígona - Sófocles.
http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/antigone.pdf

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Do amor e fascínio pelas tragédias gregas...


"Sendo assim, até o dia fatal de cerrarmos os olhos
não devemos dizer que um mortal foi feliz de verdade
antes dele cruzar as fronteiras da vida inconstante
sem jamais ter provado o sabor de qualquer sofrimento!"

(Édipo Rei, vv. 1807-1810).
CANTO DE AGONIA

Agonia de amor, agonia bendita!
- Misto de infinita mágoa e de crença infinita.
Nos desertos da Vida uma estrela fulgura
E o Viajeiro do Amor, vendo-a, triste, murmura:
- Que eu nunca chore assim! Que eu nunca chore como
Chorei, ontem, a sós, num volutuoso assomo,
Numa prece de amor, numa delícia infinda,
Delícia que ainda gozo, oração, prece que ainda
Entre saudades rezo, e entre sorrisos e entre
Mágoas soluço, até que esta dor se concentre
No âmago de meu peito e de minha saudade.
Amor, escuridão e eterna claridade...
- Calor que hoje me alenta e há de matar-me em breve,
Frio que me assassina, amor e frio, neve,
Neve que me embala como um berço divino,
Neve da minha dor, neve do meu destino!
E eu aqui a chorar nesta noite tão fria!
Agonia, agonia, agonia, agonia!
- Diz e morre-lhe a voz, e cansado e morrendo
O Viajeiro vai, e vê a luz e vendo
Uma sombra que passa, uma nuvem que corre,
Caminha e vai, o louco, abraça a sombra e... morre!
E a alma se lhe dilui na amplidão infinita...
Agonia de amar, agonia bendita!


Augusto dos Anjos.
A Dor.

Chama-se a Dor, e quando passa, enluta
E todo mundo que por ela passa
Há de beber a taça da cicuta
E há de beber até o fim da taça!

Há de beber, enxuto o olhar, enxuta
A face, e o travo há de sentir, e a ameaça
Amarga dessa desgraçada fruta
Que é a fruta amargosa da Desgraça!

E quando o mundo todo paralisa
E quando a multidão toda agoniza,
Ela, inda altiva, ela, inda o olhar sereno

De agonizante multidão rodeada,
Derrama em cada boca envenenada
Mais uma gota do fatal veneno.

Augusto dos Anjos.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Será que os indivíduos definem a sociedade (Weber), ou a sociedade que define os indivíduos (Durkheim)?

quarta-feira, 18 de maio de 2011

"Assim, pois, eu afirmo que o Amor é dos deuses o mais antigo, o mais
honrado e o mais poderoso para a aquisição da virtude e da felicidade entre os
homens, tanto em sua vida como após sua morte."

"Assim é que o amar e o Amor não é todo ele belo e digno
de ser louvado, mas apenas o que leva a amar belamente".


O Banquete - Platão.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Caminhamos ao encontro do amor e do desejo.
Não buscamos lições, nem a amarga filosofia que se exige da grandeza.

Além do sol, dos beijos e dos perfumes selvagens, tudo o mais nos parece fútil.

Quando a mim, não procuro estar sozinho nesse lugar.

Muitas vezes estive aqui com aqueles que amava, e discernia em seus traços o claro sorriso que neles tomava a face do amor.

Deixo a outros a ordem e a medida.

Domina-me por completo a grande libertinagem da natureza e do mar.


Albert Camus.






E aqui está o começo da semana novamente...
Vem com ela bastante pressa e vem vontade de não levantar da cama.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Cansaço.



"O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.
A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas -
Essas e o que faz falta nelas eternamente -;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.
Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...
E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo,
Cansaço..."

Álvaro de Campos
(Heterônimo Fernando Pessoa)

O Som do Silêncio.




Olá escuridão, minha velha amiga

Eu vim para conversar contigo novamente

Por causa de uma visão que se aproxima suavemente

Deixou suas sementes enquanto eu estava dormindo

E a visão que foi plantada em meu cérebro

Ainda permanece

Entre o som do silêncio

Em sonhos agitados eu caminho só

Em ruas estreitas de paralelepípedos

Sob a auréola de uma lamparina de rua

Virei meu colarinho para proteger do frio e umidade

Quando meus olhos foram apunhalados pelo lampejo de uma luz de néon

Que rachou a noite

E tocou o som do silêncio

E na luz nua eu vi

Dez mil pessoas talvez mais

Pessoas conversando sem falar

Pessoas ouvindo sem escutar

Pessoas escrevendo canções que vozes jamais compartilharam

Ninguém ousou

Perturbar o som do silêncio

"Tolos," eu disse, "vocês não sabem"

O silêncio como um câncer que cresce

Ouçam minhas palavras que eu posso lhes ensinar

Tomem meus braços que eu posso lhes estender"

Mas minhas palavras

Como silenciosas gotas de chuva caíram

E ecoaram no poço do silêncio

E as pessoas curvaram-se e rezaram

Ao Deus de néon que elas criaram

E um sinal faiscou o seu aviso

Nas palavras que estavam se formando

E o sinal disse, "As palavras dos profetas estão escritas nas paredes do metrô

E corredores de habitações"

E sussurraram no som do silêncio.


The Sound Of Silence

Simon & Garfunkel

quinta-feira, 14 de abril de 2011


"Eu me percebo cada vez mais diferente da maioria, cada vez mais destoante do todo, cada vez mais distante do óbvio, cada vez mais dona de mim..."

Aurélia Vasconcelos.



sexta-feira, 8 de abril de 2011

Mas queria que você entendesse os meus poços escuros, os meus becos — que me fazem mergulhar em silêncios às vezes longos.

Caio F.





segunda-feira, 28 de março de 2011

O Dilema de Morar Só.


Morar sozinha é muito bom. Você cozinha quando está com fome, limpa a casa quando acha que está na hora, lava as roupas quando descobre não ter mais nenhuma peça limpa no guarda roupa e por aí vai. Mas ao mesmo tempo é ruim, pois, você sente a solidão ali do lado... te olhando comer, te olhando teclar no computador, observando seu vício de fumar... só que ela não come, não se veste, não liga pra limpeza, não come, não fuma, não conversa, muito menos digita alguma coisa. Ruim mesmo é quando você começa a questionar o seguinte: será mesmo que ela não precisa de um almoço, de uma roupa limpa, de uma casinha cheirosa, de uma conversa amiga?
Ao pensar nisso, sinto muito... é a loucura pedindo pra entrar.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

"Eu gosto dos extremos, ou tenho pouco ou tenho muito, mas nunca a metade. Saboreio tudo com muita calma, mesmo o veneno, saboreio lentamente para não morrer de imediato. Tenho pensamentos tristes que não acompanham minha vontade de sorrir, de ser feliz... Minha fé jamais foi inabalável, tanto é que me questiono se realmente a possuo. A única certeza que tenho é da certeza que não existe, é do tempo que não sei aocerto se é eterno... As incertezas são de uma vida inteira, as lutas são constantes, as tristezas aparentemente invencíveis... e tudo por mimcalculado! Uma medida certa de sofrer, uma medida certa de amar, uma medida certa de não saber ao certo calcular intensidades, sentimentos, emoções. Quando me perco, não me encontro nunca mais. Acabo em outra realidade com outro pensamento e outra maneira ainda mais intensa de ser!"


"Enquanto repetia para si mesmo essa fórmula,
experimentava o sentimento radioso de ter mais uma vez se apossado
de um fragmento do mundo; de ter rasgado com seu bisturi imaginário
uma estreita fenda no véu infinito do universo."

Milan Kundera in "A insustentável Leveza do Ser".
"Era essa a essência de sua obsessão pelas mulheres. Não era obcecado pelas mulheres, era obcecado pelo que em cada uma delas havia de inimaginável, ou melhor, era obcecado por esse milionésimo que torna uma mulher diferente das outras. (Talvez sua paixão de cirurgião se juntasse aqui a sua paixão pelas mulheres. Não largava o bisturi imaginário, nem mesmo quando estava com suas amantes. Desejava apossar-se de algo profundamente escondido no interior delas, e para isso era preciso rasgar a camada superficial que as envolvia.)"

Milan Kundera in "A Insustentável Leveza do Ser."


quarta-feira, 19 de janeiro de 2011


Timidez


Basta-me um pequeno gesto,
feito de longe e de leve,
para que venhas comigo
e eu para sempre te leve...
- mas só esse eu não farei.
Uma palavra caída
das montanhas dos instantes
desmancha todos os mares
e une as terras mais distantes...
- palavra que não direi.
Para que tu me adivinhes,
entre os ventos taciturnos,
apago meus pensamentos,
ponho vestidos noturnos,
- que amargamente inventei.
E, enquanto não me descobres,
os mundos vão navegando
nos ares certos do tempo,
até não se sabe quando...
e um dia me acabarei.

(Cecília Meireles)

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Exagerada toda a vida:
Minhas paixões são ardentes;
Minhas dores de cotovelo,
De querer morrer;
Briguenta de tô de mal pra sempre;
Durmo treze horas seguidas;
Meus amigos são semi-irmãos;
Meus amores são sempre eternos
E meus dramas, mexicanos!


(Clarice Lispector)

“Nós éramos amigos e nos tornamos estranhos um para o outro. Mas está bem que seja assim, e não vamos ocultar e obscurecer isto, como se fosse motivo de vergonha. Somos dois navios que possuem, cada qual, seu objetivo e seu caminho; podemos nos cruzar e celebrar juntos uma festa, como já fizemos – e os bons navios ficaram placidamente no mesmo porto e sob o mesmo sol. Parecendo haver chegado ao seu destino e ter tido um só destino. Mas, então, a todo-poderosa força de nossa missão nos afastou novamente, em direção a mares e quadrantes diversos, e talvez nunca mais nos vejamos de novo – ou talvez nos vejamos, sim, mas sem nos reconhecermos: os diferentes mares e sóis nos modificaram! Que tenhamos de nos tornar estranhos um para o outro é da lei acima de nós: justamente por isso deve-se tornar mais sagrado o pensamento de nossa antiga amizade! Existe provavelmente uma enorme curva invisível, uma órbita estelar em que nossas tão diversas trilhas e metas estejam incluídas como pequenos trajetos – elevemo-nos a esse pensamento! Mas nossa vida é muito breve e nossa vista muito fraca, para podermos ser mais que amigos no sentido dessa elevada possibilidade. – E assim crer em nossa amizade estelar, ainda que tenhamos de ser inimigos na Terra”.

(Nietzsche)


Que bonito.

Pra começar 2011...

Primeiro post de 2011...
Já dia 11 de Janeiro. E daqui a pouco será Abril, Julho e logo Dezembro de novo... e me faz lembrar do Tempo, que se não me engano é do Quintana:


O tempo

A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando de vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado...
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo...
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.