terça-feira, 5 de novembro de 2013

Depois das tempestades... a calmaria!









Eu sempre fui muito paciente em relação aos acontecimentos da minha vida...
e essa urgência de agora se mostra cada vez mais desnecessária.
E a dor que aflora no peito cada vez mais doída.