terça-feira, 30 de junho de 2009

O semelhante conhece o semelhante.

... Empédocles procurou também explicar o conhecimento, sustentado que das coisas se despredem eflúvios que atingem os sentidos. Como nossos sentidos são feitos dos mesmos elementos de que é composto o mundo, o fogo que está em nós reconhece o fogo que está nas coisas, a terra reconhece a terra, e assim por diante. Consequentemente, é válido o princípio geral que o semelhante conhece o semelhante ...


(...)


... Empédocles sofreu também a influência órfica e acreditava que a alma humana fosse um demônio caído no corpo por uma culpa originária, destinado a reencarnar-se mais vezes, até sua purificação definitiva ...

Um comentário:

Marcus Abner disse...

"O último esforço da razão é reconhecer que existe uma infinidade de coisas que a ultrapassam." Blaise Pascal